COMPRIMIDOS

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
COMPRIMIDOS por Mind Map: COMPRIMIDOS

1. TIPOS DE COMPRIMIDOS

1.1. LIBERAÇÃO CONVENCIONAL (IMEDIATA)

1.1.1. COMPRIMIDOS DESINTEGRÁVEIS

1.1.2. COMPRIMIDOS MASTIGÁVEIS

1.1.3. COMPRIMIDOS EFERVECENTES

1.1.4. COMPRIMIDOS SUBLINGUAIS

1.2. LIBERAÇÃO MODIFICADA OU PROLONGADA

1.2.1. QUALQUER TIPO DE LIBERAÇÃO DIFERENTE DA IMEIDATA

1.2.2. MANUTENÇÃO OU AUMENTO DO NÍVEL DE SEGURANÇA E SUSTENTAÇÃO DA AÇÃO

1.2.3. LIBERAÇÃO LENTA E GRADUAL

1.2.4. LIBERAÇÃO DO ATIVO MODULADA EM LOCAIS E EM TEMPO DIFERENTES

1.3. VANTAGENS DA LIBERAÇÃO MODIFICADA

1.3.1. REDUÇÃO DA FREQUÊNCIA DAS DOSES

1.3.2. DIMINUIÇÃO DA TOXICIDADE E MANUTENÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA

1.3.3. DIMINUIÇÃO DOS EFEITOS COLATERAIS

1.4. DESVANTAGENS DA LIBERAÇÃO MODIFICADA

1.4.1. RISCO DE ACUMULO

1.4.2. BIODISPONIBILIDADE REDUZIDA CASO O FÁRMACO SEJA POUCO ABSORVIDO.

1.4.3. PODE OCORRER FALHAS NO CONTROLE DA LIBERAÇÃO DO FÁRMACO

2. DESVANTAGENS

2.1. ALGUNS CASOS CLÍNICO PROPICIAM DIFICULDADE DE DEGLUTIÇÃO

2.2. BIODISPONIBILIDADE FICA COMPROMETIDA QUANDO O FÁRMACO APRESENTA BAIXA SOLUBILIDADE EM ÁGUA OU BAIXA TAXA DE ABSORÇÃO

3. VARIAÇÃO

3.1. FORMA

3.2. TAMANHO

3.3. PESO

3.4. DUREZA

3.5. ESPESSURA

3.6. DESINTEGRAÇÃO

3.7. DISSOLUÇÃO

4. VANTAGENS

4.1. FORMA FARMACÊUTICA DE MAIOR ESTABILIDADE QUÍMICA E FÍSICA.

4.2. MAIOR PRECISÃO NA CONCENTRAÇÃO DO FÁRMACO

4.3. FACILIDADE NO MANUSEIO E TRANSPORTE

4.4. PRODUÇÃO EM AMPLA ESCALA E COM BAIXO CUSTO DE PRODUÇÃO

4.5. ADMINISTRAÇÃO ORAL. ROTA MAIS SEGURA E CONVENIENTE PARA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

5. TÉCNICAS DE FABRICAÇÃO DO COMPRIMIDOS

5.1. GRANULAÇÃO POR VIA ÚMIDA

5.2. GRANULAÇÃO POR VIA SECA

5.3. COMPRESSÃO DIRETA

6. ADJUVANTES FARMACÊUTICOS

6.1. DILUENTES

6.1.1. AUMENTO DO VOLUME E PESO DA FORMULAÇÃO

6.1.2. EX.: LACTOSE, CELULOSE, MANITOL, AMIDO, ENTRE OUTROS

6.2. AGLUTINANTES

6.2.1. GARANTE QUE OS GRÂNULOS E OS COMPRIMIDOS TENHAM A RESISTÊNCIA MECÂNICA CORRETA

6.2.2. AMIDO PRÉ-GELATINIZADO

6.3. DESINTEGRANTES

6.3.1. GARANTE QUE O COMPRIMIDO SE DESINTEGRE EM CONTATO COM LÍQUIDOS, PROMOVENDO A DISSOLUÇÃO E ABSORÇÃO DO FARMACO

6.3.1.1. TIPOS DE DESINTEGRANTES

6.3.1.1.1. DESINTEGRANTES QUE FACILITAM O TRANSPORTE DE LÍQUIDOS ATRAVÉS DOS POROS DOS COMPRIMIDOS.

6.3.1.1.2. DESINTEGRANTES QUE PROMOVEM A RUPTURA DO COMPRIMIDO POR SUAS PARTÍCULAS INTUMECEREM AO CONTATO COM LÍQUIDOS

6.3.2. EX.: CROSCARMELOSE SÓDICA, CROSPOVIDONA

6.4. LUBRIFICANTES

6.4.1. DIMINUI A FRICÇÃO DO COMPRIMIDO COM A MATRIZ DE FABRICAÇÃO E TAMBÉM SÃO RESPONSÁVEIS PELO BRILHO DO COMPRIDO

6.4.2. EX.: ÁCIDO ESTEÁRICO, ESTEARATO DE MAGNÉSIO

6.5. AGENTES MOLHANTES

6.5.1. TORNAM AS SUPERFÍCIES DO COMPRIMIDO MAIS HIDROFÍLICA FACILITANDO A PENETRAÇÃO DOS LÍQUIDOS ATRAVÉS DOS POROS DOS COMPRIMIDOS.

6.5.2. TENSOATIVOS

6.6. AROMATIZANTES

6.6.1. UTILIZADO PARA MASCARAR O GOSTO RUIM DOS COMPRIMIDOS POIS CONFEREM SABOR MAIS AGRADÁVEL

6.7. CORANTES

6.7.1. UTILIZADO PARA PROMOVER IDENTIFICAÇÃO DO COMPRIMIDO AFIM DE AUMENTAR A ADERÊNCIA TERAPÊUTICA

6.8. ABSORVENTES

6.8.1. RESPONSÁVEL PELA ABSORÇÃO DE UMIDADE PRESENTE NOS EXCIPIENTES.

6.8.2. DIÓXIDO SILÍCIO COLOIDAL

6.9. DESLIZANTES

6.9.1. REDUZ A FRICÇÃO ENTRE AS PARTICULAS PROMOVENDO MAIS FACILIDADE PARA O PROCESSO DE COMPREENSÃO

6.9.2. EX. DIÓXIDO DE SILÍCIO COLOIDAL, TALCO