Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
EAD por Mind Map: EAD

1. Origem no BRASIL

1.1. O ensino superior a distância só foi reconhecido com a Lei de Diretrizes e Bases de 1996.

1.2. Cria-se em 2005 a UAB - um órgão do MEC que gerencia as iniciativas da EAD nas universidades públicas.

2. Diversidade de modelos de ensino

2.1. Temos desde modelos auto-instrucionais a modelos colaborativos; modelos focados no professor (teleaula), no conteúdo, a outros centrados em atividades e projetos. Temos modelos para poucos alunos e modelos de massa para dezenas de milhares de alunos. Temos cursos com grande interação com o professor e outros com baixa interação. E não é fácil pensar em propostas que atendam a todas estas situações tão diferentes.

3. Modelo Teleaula

3.1. Reúne os alunos em salas e um professor transmite uma ou duas aulas por semana, ao vivo. Os alunos enviam perguntas e o professor responde a algumas que considera mais importantes. Em geral, depois das teleaulas, os alunos se reúnem nas tele-salas, em pequenos grupos, para realizar algumas atividades de discussão e aprofundamento de questões relacionadas com a aula dada sob a supervisão de um mediador, chamado professor tutor local. Além das aulas, os alunos costumam receber material impresso e orientações de atividades para fazer durante a semana, individualmente, com o acompanhamento de um professor tutor online ou eletrônico.

4. Modelo WEB

4.1. Foca no conteúdo disponibilização pela Internet e por CD ou DVD também. Além do material na WEB os alunos costumam ter material impresso por disciplina ou módulo. Os ambientes principais de aprendizagem são o Moodle, o Blackboard e o Teleduc. Algumas instituições têm o seu próprio ambiente digital de aprendizagem. Começase a utilizar a webconferência para alguns momentos de interação presencial com os alunos, para orientações, dúvidas e manutenção de vínculos afetivos.

5. Modelo de Videoaula

5.1. O modelo mais usual é o de tele-salas, onde o aluno vai presencialmente uma ou várias vezes por semana e um tutor supervisiona a exibição do vídeo e as atividades relacionadas ao conteúdo da disciplina. Tira dúvidas, sob a coordenação de um professor responsável por essa disciplina.Outro modelo é com vídeoaulas que os alunos acessam via WEB ou recebem por cd ou DVD. Os alunos assistem as videoaulas em casa ou no trabalho, lêem o material impresso e fazem as atividades que são entregues a um tutor –on line, num ambiente de aprendizagem digital, em geral o Moodle. Os alunos só vão a um pólo para a avaliação online.

6. A exigência da avaliação presencial

6.1. Evidencia uma contradição gritante e preconceito contra a educação a distância ao exigir que num curso a distância a avaliação seja presencial. Entendemos os motivos das possibilidades de fraude a distância, assim como os há também no presencial, mas não se pode impedir – legalmente - que um curso a distância possa ser totalmente online, como acontece em muitos países. Hoje há recursos confiáveis de verificação e de acompanhamento digital dos alunos. (SILVA; SILVA, 2008)

7. Referência

7.1. MORAN, José Manuel, Modelos e Avaliação do Ensino Superior a Distância no Brasil, Sumaré-SP