Capítulo 3 Sociedade da Informação

Resumo Capítulo 233

시작하기. 무료입니다
또는 회원 가입 e메일 주소
Capítulo 3 Sociedade da Informação 저자: Mind Map: Capítulo 3 Sociedade da Informação

1. 1. História da comunicação

1.1. 3.500 anos atrás os sumérios inventaram a escrita.

1.2. Em 1450 Gutenberg inventou a prensa de impressão.

1.2.1. Permitiu socializar conhecimentos e ampliar a audiência dos reformadores sociais.

1.3. No século XIX: o telégrafo, o rádio, o telefone, a fotografia e o cinema.

1.4. No século XX: a televisão, a conexão por satélite, a internet, a fibra ótica e as redes sem fio.

2. 2. Meios de comunicação e capitalismo

2.1. A porção dominante dos meios de comunicação está constituída por empresas que atuam dentro das regras do mercado capitalista, com suas premissas de realização de lucro e concorrência.

2.1.1. Oligopólio é um tipo de mercado dominado por um reduzido número de empresas.

2.1.2. É essa lógica expansionista que movimenta, também, os meios de comunicação de massa.

2.1.2.1. Condicionada pela negociação com os interesses de patrocinadores e anunciantes. A mediação da cultura moderna consiste, justamente, nesse domínio das formas simbólicas (palavras, imagens) por meios de comunicação, que funcionam com lógica mercantil.

2.2. Os meios de comunicação são o canal utilizado pelas empresas para promover suas marcas e produtos, através da publicidade.

2.2.1. Consumismo pela persuasão.

2.2.1.1. PREOCUPANTE: promoção do consumismo nas crianças e adolescentes.

3. 3. Internet um campo de possibilidades e disputas

3.1. A internet teria condições de mudar esse panorama de consumismo?

3.1.1. O acesso livre à internet passou a ser um medidor de escala do autoritarismo e atraso dos regimes políticos.

3.1.1.1. A internet rompe com a comunicação vertical e mercantilizada. É revolucionária. Nunca, antes, houve tantas possibilidades reais de democratizar comunicação.

4. 4. Desafios para a escola

4.1. A comunicação com o surgimento da TV, por exemplo, permitiu uma liberdade que expos e expõe comportamento que as famílias desejam ocultar.

4.1.1. Desse modo, a escola, a família, e outras instituições orientadoras tendem a perder, naturalmente, sua influência, pois elas representam e estão encarregadas de transmitir conhecimentos e valores que representam o passado.

4.2. A escola deixou de ser o único lugar de legitimação do saber, pois existe uma multiplicidade de saberes que circulam por outros canais e não pedem autorização à escola para se expandir socialmente.

5. 5. Potencial pedagógico da crítica

5.1. A comunicação de massa gerou a nova cultura e, ao mesmo tempo, a significou, normalizando-a dentro das necessidades do momento atual do mercado capitalista.

5.2. A perda de influência das instituições do mundo adulto que se propunham a realizar uma ação educativa.

5.3. A recuperação do papel da escola está relacionada à capacidade que tiver de converter-se num espaço privilegiado para garantir às novas gerações os conhecimentos e as habilidades indispensáveis, para que se comuniquem com autonomia e autenticidade.