CURSO CI-SIPAER www.coachconcursos.com.br

Iniziamo. È gratuito!
o registrati con il tuo indirizzo email
CURSO CI-SIPAER www.coachconcursos.com.br da Mind Map: CURSO CI-SIPAER www.coachconcursos.com.br

1. Módulo 1 - Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos

1.1. Webert William HENRICH - Teoria da causa única (dominó)-Predominancia da falha humana no processo do acidente aeronáutico

1.1.1. Para cada lesão grave, temos 29 lesões leves e 300 sem gravidades.

1.1.2. Sequencia de eventos de Henrich: 5 Estágios

1.1.2.1. 1-Origem e condição do homen levando a ....

1.1.2.2. 2-...Uma deficiencia individual como raza para...

1.1.2.3. 3- ...Um ato ou condição insegura que resulta em....

1.1.2.4. 4-... Um acidente que leve á....

1.1.2.5. 5- ...Lesão.

1.2. Frank Bird- Triangulo (1967-1968) Aprimorou a teoria de Henrich

1.2.1. Triangulo

1.2.1.1. 1-Para cada 1 incapacitação

1.2.1.2. 2-10 lesões menores

1.2.1.3. 3-30 danos à propriedade

1.2.1.4. 4- 600 sem danos ou lesões

1.3. Em oposição a Teoria da causa única, foi desenvolvida a Teoria das causas Múltiplas

1.4. James Reason (1990)

1.4.1. A maioria dos acidentes tem origem em um ou mais dos níveis de falhas:

1.4.1.1. Influência Organizacional

1.4.1.2. Supervisão Insegura

1.4.1.3. Precondções para atos inseguros

1.4.1.4. Atos Inseguros Propriamente ditos

1.5. Trajetória da Oportunidade: Influencia Organizacional; Supervisão Deficiente; Conhecimentos Deficientes; Decisões com Falhas; Erros e violações

1.5.1. Na sequencia causal da falha humana, pode haver tanto falhas ativas quanto condições latentes.

1.5.2. O acidente ocorre quando todas as falhas e condições latentes se alinham, propiciando a Trajetória de Oportunidade do Acidente.

1.6. Trinômio da segurança de voo

1.6.1. Homen

1.6.2. Meio

1.6.3. Máquina

1.6.4. Principais Fatores Considerados no Processo de Investigação de Acidentes

1.6.4.1. Fatores Humanos

1.6.4.2. Fatores Materiais

1.6.4.3. Fatores Operacionais

1.7. Aspectos do Processo de Prevenção

1.7.1. Processo de vigilancia DA SEGURANÇA operacional

1.7.1.1. BASEADO NA REGULACAO DAS ATIVIDADES AEREAS, NOS OPERADORES E MAS OPERACOES

1.7.1.1.1. Orgaos Reguladores: ANAC E DECEA

1.7.2. Filosofia SIPAER

1.7.2.1. Baseado nas coletas de informações de como se desenvolve a atividade aérea. Visa permitir a implementação de acoes corretivas, preferencialmente antes do ocorrido.

1.7.2.2. Garantia de que a informação não será usado para aplicação de sanções punitivas, caso contrário, haverá risco de inviabilização total do processo. Neste sentido, jamais poderá ser feita pelo Órgão Regulador, pois possuem conceitos conflitantes.

1.7.2.3. Objetivo exclusivo: Desenvolver ações corretivas para a prevenção de acidentes.

1.7.2.4. Valores SIPAER

1.7.2.4.1. HONESTIDADE

1.7.2.4.2. PROFISSIONALISMO

1.7.2.4.3. PERSEVERENÇA

1.7.2.4.4. CORAGEM

1.7.2.4.5. DEDICAÇÃO

1.7.2.5. 8 Principios que norteiam a atividade no ambito do SIPAER

1.7.2.5.1. 1 TODO ACIDENTE PODE SER EVITADO

1.7.2.5.2. 2 SEQUENCIA ALEATORIA DE EVENTOS E NAO CAUSA ISOLADA;

1.7.2.5.3. 3 SEMPRE TEM UM PRECEDENTE;

1.7.2.5.4. 4 A PREVENÇAO REQUER MOBILIZAÇÃO GERAL

1.7.2.5.5. 5 Os líderes sao responsareis pela prevenção;

1.7.2.5.6. 6 A prevenção não é restritiva das atividades, mas estimule o desenvolvimento;

1.7.2.5.7. 7 Em Prevenção não há segredos ou bandeiras;

1.7.2.5.8. 8 Acusações e punições tem resultados contrários ao da prevenção

1.7.3. Ciclo da Prevenção

1.7.3.1. 5 etapas:

1.7.3.1.1. Coleta de dados

1.7.3.1.2. Análise

1.7.3.1.3. Medidas de Prevenção

1.7.3.1.4. Implementação

1.7.3.1.5. Controle

1.8. SIPAER-Decreto 87.249 de 07/06/1982

1.8.1. Conjunto de Órgãos e Elementos relacionados entre si por finalidade específica. (não há subordinação entre eles)

1.8.1.1. CENIPA

1.8.1.2. ANAC

1.8.1.3. DECEA

1.8.1.4. OM que operem aeronaves

1.8.1.5. Administração aeroportuarias

1.8.1.6. Fabricantes

1.8.1.7. Operadores

1.8.1.8. Organizações prestadora de manutenção

1.8.1.9. Organizações de natureza civil

1.8.1.10. Provedores de serviços de telecomunicações e controle de espaço aéreo

1.8.1.11. Outros Órgãos envolvidos direta ou indiretamente

2. Módulo 2 - Risco baloeiro

3. Módulo 3 - Emissão de raio laser contra aeronaves

4. Módulo 4 - F.O.D., do Inglês "foreign object damage"

5. Módulo 5 - Risco de fauna

6. Módulo 6 - Relatório de prevenção - RELPREV

7. Módulo 7 - Relatório ao CENIPA para Segurança de Voo - RCSV