Personalidade - "O Assassinato"

Commencez. C'est gratuit
ou s'inscrire avec votre adresse courriel
Personalidade - "O Assassinato" par Mind Map: Personalidade - "O Assassinato"

1. Freud

1.1. Um dos métodos usados pelo paciente Donald para recuperar sua memória, foi a hipnose, método o qual Freud usou no inicio de sua carreira.

1.2. O paciente Donald teve alguns episódios nos quais deixa evidente seus "instintos de morte", termo utilizado por Freud para designar a liberação da energia psíquica liberada nos atos que divergem da nossa preservação. Por exemplo quando Donald entra em colisão com o carro e quando tenta suicídio.

1.3. Donald sofreu uma lesão no Lobo Frontal de seu cérebro, com isso,o esperado era que o ID (parte inconsciente, energia das pulsões, desejos e vontades) se sobressaisse ao seu EGO (parte lógica e racional) e sobre seu SUPEREGO (valores, ética, códigos de conduta). Mas não foi o que aconteceu, seu EGO e SUPEREGO ficaram preservados após a lesão.

1.4. "SUPEREGO acusador" foi o que aconteceu com Donald. Ele se cobrou muito quando o assassinato voltou para sua memória. O superego de Donald não o deixou em paz, pois o ato confrontava com todos seus valores e códigos de conduta.

2. Yung

2.1. Para Jung, existem 8 tipos de personalidade

2.1.1. Sendo: o Reflexivo introvertido e extrovertido; Sentimental introvertido e extrovertido; Perceptivo introvertido e extrovertido; Intuitivo introvertido e extrovertido;

2.1.2. O que mais cabe para donald é o reflexivo introvertido que caracteriza uma pessoa com grande atividade intelectual, que, no entanto, tem dificuldade para se relacionar com os outros. Normalmente é uma pessoa teimosa e determinada em alcançar os seus objetivos. Por vezes é visto como um inadaptado, inofensivo e ao mesmo tempo interessante.

3. Adler

3.1. Ação, tendendo à agressividade e dominação, podendo resultar em dependência química, ou suicídio; Donald tinha uma “carga psicótica, ou quase psicótica, nas lembranças — elas apresentavam, no jargão psiquiátrico, catexia intensa ou excessiva, a ponto de impelir Donald a idéias incessantes de suicídio

3.1.1. Self aparece em outros momentos além desse: "Donald não esqueceu ou tornou a reprimir coisa alguma relacionada ao assassinato, se é que de fato a repressão tinha estado presente antes, mas já não está obcecado por ele: foi atingido um equilíbrio fisiológico e mora".

3.2. Evitação ou fuga, tendentes à psicose, aparece quando por algum motivo ele não lembra do assassinado e a outra após ele bater a cabeça “a repentina emergência, saindo de uma amnésia total, não de algum obscuro conflito ou culpa edipiano, mas de um assassinato verdadeiro?” além dos flashbacks, retorno explosivo, blackout total.

3.2.1. Luta pela superioridade Donald, demonstra medo da inferioridade, contra os obstáculos: ser agressivo, poderoso superior, sendo esta uma luta pela plena realização de si mesmo. "Eu me sinto em paz cuidando das plantas", ele me disse. "Não surgem conflitos. As plantas não têm ego. Não podem ferir nossos sentimentos."

3.3. tratamento psicoterapêutico. “baseada na sensibilidade e no amparo, a violência punitiva do superego auto-acusador de Donald foi mitigada”, podendo ter o interesse social.

4. Allport

4.1. A teoria da autonomia funcional da motivação, se aplica quando a violência punitiva do superego auto acusador de Donald foi mitigada, e hoje predomina o julgamento mais brando do ego. Sendo essa a Proprium. Além dessa parte; “síndrome do lobo frontal — a impulsividade, a natureza jocosa, a loquacidade, a libertinagem, a exibição de um id desinibido, indiferente, vulgar. Mas não era esse o caráter mostrado agora por Donald. Ele não era nem um pouco impulsivo, indiferente, indecoroso. Seu caráter, discernimento e personalidade geral estavam totalmente preservados

4.2. A organização dinâmica dentro do indivíduo ou sua adaptação ao ambiente, sistemas psicofísicos, se encontra quando Donald aceitou a reclusão com um certo alívio, sentindo que havia segurança no isolamento. Além de dizer: "Não sou apto para viver em sociedade".

4.2.1. Disposição segundaria não aparecendo com regularidade na sua personalidade era quando Donald tinha atitudes suicidas sendo perigoso para ele e as pessoas ao seu redor “estava incontrolável e, pior ainda, totalmente insuportável. Por duas vezes ele tentou suicidar-se”

4.3. Traço cardinal se encontra quando ele sofre o acidente de bicicleta e começa a lembrar do crime onde fez com que tudo girasse em torno das lembranças tendo disposições evidente que lembrara do ocorrido.

4.3.1. Disposição central; tinha a característica de violento porém se interessara por plantas, atingido uma espécie de equilíbrio austero, no qual as relações humanas, as paixões humanas, antes tão tempestuosas, foram substituídas por uma estranha serenidade, mas apesar disso era considerado esquizoide.