A ENTREVISTA DE AJUDA.

Comienza Ya. Es Gratis
ó regístrate con tu dirección de correo electrónico
Rocket clouds
A ENTREVISTA DE AJUDA. por Mind Map: A ENTREVISTA DE AJUDA.

1. Vários tipos de perguntas e diferentes propósitos

1.1. Perguntas abertas vs. perguntas fechadas

1.1.1. As perguntas abertas são amplas

1.1.2. As perguntas fechadas são restritas

1.2. Perguntas diretas vs. perguntas indiretas

1.2.1. Perguntas diretas são interrogações precisas

1.2.2. Perguntas indiretas perguntam sem parecer fazê-lo

1.3. Perguntas duplas

1.3.1. Não tem utilidade na entrevista

1.3.2. Utilizam-se do "ou"

1.3.3. Confundem entrevistador e o entrevistado

1.4. Bombardeio

1.4.1. Abusos de perguntas

1.5. Situação invertida

1.5.1. Quando o entrevistado dirige perguntas ao entrevistador

1.5.2. As perguntas do entrevistado podem se referir a outras pessoas

1.5.2.1. Perguntas sobre nós

1.5.2.1.1. Perguntas sobre ele mesmo

1.6. "Por quê ?"

1.6.1. A expressão mais utilizada em interrogatório

1.6.2. Pode ser entendido com um sentido de rejeição, como "Não faça isso"

1.6.3. Deve ser usada o mínimo possível

2. Ouvir com empatia=uma visão positiva da vida

3. 4. O registro da entrevista

3.1. Existem diferentes maneiras de registrar uma entrevista

3.2. Algumas coisas não se devem fazer em uma entrevista

3.2.1. Não deve ser um interrogatório

3.2.2. As anotações não devem interferir no ritmo da entrevista

3.2.3. O registro deve subordinar-se ao processo

3.2.4. Não deve-se fazer segredo das anotações

3.3. Honestidade Essencial

3.3.1. Aspecto ético

3.3.1.1. Confidencialidade

3.4. Gravação

3.4.1. Sua principal finalidade é o aprendizado e a pesquisa

3.4.2. Não pode-se ocultar a gravação do entrevistado

4. 5. A pergunta

4.1. Parte integrante do processo

4.1.1. Reavivar a memória

4.1.2. Lembrar da execução da nossa parte

4.1.3. Possibilitar o acompanhamento da nossa própria evolução

4.2. Algumas críticas ao excesso de perguntas

4.2.1. Confundem o entrevistado

4.2.2. Perguntas que o entrevistado não tem condições de responder

4.2.3. Perguntas para as quais não queremos respostas

4.2.4. Modelo pergunta e resposta, onde o entrevistado acredita que sua única função é responder perguntas

4.3. Perguntas devem ser feitas as vezes, mas...

4.3.1. Devemos estar conscientes de que estamos fazendo perguntas

4.3.2. Pesar cuidadosamente a pergunta e a conveniência de fazê-la

4.3.3. Examinar os tipos de perguntas que despomos e que somos acostumados a fazer

4.3.4. Considerar alternativas na formulação da pergunta

4.3.5. Ter sensibilidade ao receber as perguntas do entrevistado

4.4. Como utilizar as perguntas

4.4.1. Perguntas únicas

4.4.2. Utilizar perguntas indiretas

4.4.3. Enunciadas com a maior brevidade

4.5. Quando utilizar perguntas

4.5.1. Quando fomos incapazes de ouvir ou entender o entrevistado

4.5.2. Para indagar se fomos entendidos pelo entrevistado

4.5.3. Para auxiliar o entrevistado a esclarecer algum pensamento ou sentimento

4.5.4. Para saber mais do entrevistado

4.5.5. Ajudar o entrevistado que tem dificuldade em continuar falando

5. 6. Comunicação

5.1. Defesas e Valores

5.1.1. - Defesa, +ajuda

5.1.1.1. Aumenta a comunicação

5.1.2. Quanto menos impor valores próprios, maior a ajuda

5.1.3. Entrevistador: Reconheça seus valores como algo em mutação

5.1.3.1. Do entrevistado também

5.1.3.2. Seu eu em mutação

5.1.4. Não temer expor seus valores, ou ser exposto aos do entrevistado

5.1.4.1. Sem julgamentos

5.1.5. Durante a entrevista, sejamos autênticos

5.1.6. Manter+Demonstrar interesse= Ajuda/Comunicação

5.1.6.1. O entrevistado pode aprender algo sobre si

5.1.6.2. O entrevistador pode, ou não, modificar seus valores

5.1.7. Ambos gostarem de algo < Saber expressar as razões

5.1.7.1. Pode, ou não, ocorrer mudança da percepção

5.2. Autoridade como Defesa

5.2.1. Barricada

5.2.2. Defesa de um "ataque"

5.2.2.1. Mas de uma busca honesta do entrevistado

5.2.2.2. De um confronto real da situação

5.2.3. Entrevistador (uso de autoridade) X Entrevistado (uso de armas para combatê-la

5.2.4. Autoridade

5.2.4.1. Livre e aberta expressão

5.2.4.2. Troca de idéias e sentimentos

5.2.5. Igualdade

5.2.5.1. De importância e dignidade

5.2.5.2. Respeito

5.2.5.3. Fazer com ele (entrevistado), não pode ele

5.2.6. Como entrevistadores não temos defesas

5.2.6.1. Ser pessoas autênticas

5.2.6.2. Tentar verdadeiramente ajudar o outro

5.3. Resultado de testes como defesa

5.3.1. Diagnóstico>Pessoa

5.3.1.1. Escudo frágil

5.3.2. Os diagnósticos podem afastar o entrevistado de si mesmo

5.3.3. O que não ocorre com uma confrontação humana e aberta

5.4. Julgamento como defesa

5.4.1. Racionalização do comportamento ao invés de nos defrontarmos com ele

5.4.2. Abandonar as armaduras defensivas aproxima

5.4.3. Discussão não é discordância

5.5. Tratando com Obstáculos

5.5.1. O quanto você fala

5.5.1.1. Falar menos que o entrevistado

5.5.1.2. Falar o necessário para permitir ao entrevistado expor seus sentimentos e idéias

5.5.2. Interrupções

5.5.2.1. Cria um grande obstáculo a comunicação

5.5.2.2. Ser especialmente sensíveis as interrupções do entrevistado (indicam o que não entendemos

5.5.2.3. Melhor a fazer: parar e ouvir

5.5.3. Respostas

5.5.3.1. Uma questão: Minhas respostas são uma ajuda ou um obstaculo a conversa?

5.5.4. Forças e facetas

5.5.4.1. ajudar o entrevistado a ver, discutir e aceitar o maior número de facetas

5.6. Quando o entrevistado não quer falar

5.6.1. Se já há interesse na entrevista é só permitir ou encorajar

5.6.2. Se não há interesse, aceitar e entender sua relutância, e quando estiver pronto, falará

5.6.3. Se nunca falar, talvez ele não queira ser ajudado

5.7. Preocupação consigo mesmo

5.7.1. Preocupar-se tanto com o papel a ser desempenhado impede de ouvir, realmente, o entrevistado

5.7.2. Falar nos intervalos cedidos pelo entrevistado não é cuidadosamente premeditado, mas é autêntico

5.7.3. Ser espontâneo+autêntico= ouviu de verdade

5.7.4. Programado+mecânico= prejudica a relação

5.7.5. Entrevistador aberto encoraja o entrevistado a fazer o mesmo

5.8. Fornecendo informações que o entrevistado precisa

5.8.1. Quando fornecida: a entrevista avança

5.8.2. Quando negada: bloqueia o progresso

5.8.3. É preciso demonstrar interesse pelo sentido de tal resposta para o entrevistado

5.8.4. Fornecer informações uteis além das solicitadas

5.8.5. Falar francamente o que esta fazendo

6. 7. Respostas e indicações

6.1. não há diferenças claras entre ambas

6.1.1. Mas, quando respondo: falo/reajo sobre o que o entrevistado expôs

6.1.2. Quando indico: controlo/expresso o que desejo que o entrevistado exponha

6.2. Uma resposta pode transformar-se em uma indicação e vise-versa

6.3. Importa: O grau de envolvimento

6.3.1. Não quanto fala

6.4. Respostas e indicações centradas no entrevistado

6.4.1. Silêncio

6.4.1.1. Comunicação não-verbal

6.4.1.2. Expressa muito

6.4.1.3. Aproxima ou distancia

6.4.1.4. Como resposta intencional: Faz com que o entrevistado sinta-se compreendido

6.4.2. "Ahn-ham"

6.4.2.1. Aprovação, atenção, escuta

6.4.3. Repetição

6.4.3.1. Servir de éco

6.4.3.1.1. Fazer o entrevistado ouvir o que ele mesmo disse

6.4.3.2. Indica que esta ouvindo atentamente

6.4.3.3. "Posso ajuda você a se ouvir através de mim"

6.4.4. Elucidação

6.4.4.1. Esclarecimentos feitos pelo entrevistador sobre o que o entrevistado tentou ou disse

6.4.4.2. Síntese possível das idéias e sentimentos expressados

6.4.5. Refletir

6.4.5.1. Refletir sentimentos e atitudes do entrevistado, necessita de empatia

6.4.5.2. Verbalizar o que o entrevistado sente

6.4.5.3. Trazer a superfície sentimentos e atitudes camuflados na fala do entrevistado

6.4.5.4. Espelho ou éco

6.4.6. Interpretação

6.4.6.1. Primeiro: baseia-se no esquema interno de referência do entrevistado

6.4.6.2. Segundo: no esquema interno de referência do entrevistador

6.4.6.3. Estar no centro do "palco"

6.4.7. Explicação

6.4.7.1. Afirmação descritiva

6.4.7.2. Pode incluir aspectos avaliativos da linguagem

6.4.7.3. Indicação ou resposta as afirmações ou perguntas do entrevistado

6.4.7.4. Neutra

6.5. Respostas e indicações centradas no entrevistador

6.5.1. Encorajamento

6.5.1.1. Fortalecer, auxiliar, apoiar o entrevistado

6.5.1.2. Estar consciente de "para que fim" e das consequências

6.5.1.3. encorajar o outro a ser "liderado"

6.5.2. Afirmação-Reafirmação

6.5.2.1. Demonstrar que acredita na capacidade do entrevistado de agir e superar obstáculos

6.5.2.2. Demonstrar confiança e disponibilidade para auxilia-lo

6.5.3. Sugestão

6.5.3.1. Forma branda de conselho

6.5.3.2. Finalidade: estimular o entrevistado a planejar e pensar por si mesmo

6.5.4. Aconselhamento

6.5.4.1. Dizer algo mais do que como se comportar, fazer ou deixar de fazer

6.5.4.2. Pode ser direta ou indiretamente

6.5.4.3. "Apanhar todos os sentimentos e pensamentos relativos ao que desejamos aconselhar"

6.5.4.4. Demonstrar mais interesse no entrevistado do que no conselho

6.5.5. Pressão

6.5.5.1. Aspectos práticos de uma discussão ou acordo teórico

6.5.5.2. Reforçar a determinação do entrevistado

6.5.5.3. Apoiar e demonstrar confiança no entrevistado

6.5.6. Moralismo

6.5.6.1. Aconselhamento e pressão, com uma significação a mais

6.5.6.2. Entrevistado "ver a luz"

6.5.6.3. Armas que o entrevistador usa

6.5.6.3.1. Consciência

6.5.6.3.2. Moral

6.5.6.4. O entrevistador "triunfa", o entrevistado é "ré"

6.5.6.5. É realmente eficaz? necessário?

6.6. Respostas e indicações autoritárias

6.6.1. Concordância-Discordância

6.6.1.1. Entrevistador comunica ao entrevistado, em sua opinião, se ele está "certo ou errado"

6.6.2. Aprovação-Desaprovação

6.6.2.1. Julgamento de valor

6.6.2.2. "bom ou mal"

6.6.3. Oposição e crítica

6.6.3.1. Oposição: não ao curso de uma ação pretendida

6.6.3.2. Crítica: expressa sua insatisfação com o errado ou mau

6.6.4. Descrédito

6.6.4.1. Uma dada percepção do entrevistado é incorreta ou distorcida

6.6.4.2. Apresentar uma visão objetiva e não distorcida

6.6.5. Ridicularização

6.6.5.1. Desacreditar

6.6.5.2. Resposta dura, sarcástica

6.6.5.3. Provocação destinada a confundir o entrevistado

6.6.6. Negação e Rejeição

6.6.6.1. O entrevistador rejeita idéias, pensamentos e sentimentos do entrevistado

6.6.6.1.1. Rejeita o próprio entrevistado

6.7. O uso aberto da autoridade do entrevistador

6.7.1. Assume total responsabilidade pelo o que acontece na entrevista e domina a situação

6.7.2. Repreensão

6.7.2.1. O entrevistado interpreta e avalia as idéias, sentimentos e ações do entrevistado

6.7.3. Ameaça

6.7.3.1. Notifica o entrevistado das consequências de seus atos

6.7.4. Ordem

6.7.4.1. Ordena francamente para que o entrevistado siga sua instruções

6.7.5. Punição

6.7.5.1. Pune o entrevistado por uma impropriedade de seus atos ou atitudes

6.7.6. Humor

6.7.6.1. Espontâneo, pessoal

7. 2. Estágios

7.1. grande dia, ansiedade

7.2. sentimento de desamparo,

7.3. hora de por realmente em pratica tudo que aprendeu até então

7.4. aceitar o entrevistado como ele realmente é

7.5. base da entrevista

7.6. a entrevista se torna uma arte e uma habilidade mais do que uma ciencia

7.6.1. pois cada entrevistador precisa descobrir seu estilo e seus intrumentos de trabalho

7.6.2. adaptações podem ser feitas

7.7. há dois tipos de entrevista

7.7.1. iniciada pelo entrevistador

7.7.1.1. uma regra ou um perigo

7.7.1.1.1. situar no inicio o que  levou o entrevistador a querer ve-lo

7.7.2. iniciada pelo entrevistado

7.7.2.1. deixa-lo dizer o que o trouxe até você

7.7.2.2. o que há de especial para contar

7.7.2.3. ajuda-lo a iniciar a entrevista

7.7.2.4. ouvir atentamente o que tens a dizer

7.7.2.5. evitar-se a palavra problema

7.7.2.5.1. acaba sendo uma palavra pesada, carregada...

7.7.2.6. deixa-lo livre para falar o que deseja, sem obstruir seu caminho

7.7.2.7. ha a necessidade de uma introdução por parte do entrevistador

7.7.2.7.1. algo que ajude a iniciar a entrevista

7.7.3. objetivar uma conversa

7.7.4. cuida para que o entrevistado tenha oportunidade de se expressar plenamente

7.7.5. é a unica forma de descobrir se e como ele nos entendeu

7.7.6. o que pensa

7.7.7. como se sente

7.8. o entrevistado tem direito de saber por qual motivo esta fazendo a entrevista

7.9. a intenção é AJUDAR

7.9.1. então deve-se ser honesto e abertos, da mesma forma que ele será

7.9.2. o resultado da entrevista sera verdadeira

7.9.3. séria e objetiva

7.10. Explicação de nosso papel

7.11. explicar quem somos em uma determinada agencia

7.12. nos identificar

7.12.1. situar nossa posição

7.13. Emprego de formularios

7.14. O tempo

7.14.1. fator importante

7.14.1.1. consciência do tempo

7.14.1.1.1. de preferencia explicar o motivo de ambas as partes envolvidas

7.14.1.1.2. no mesmo sentido para atrasos

7.14.1.2. quando ha diversas entrevistas o tempo é crucial

7.14.1.3. e parte integrante a atmosfera geral e do relacionamento

7.14.1.4. entrevistas únicas não se da importância ao tempo mas deve estabelecer limites com clareza

7.14.1.5. em geral  30 a 45 min são necessários para que ocorra a entrevista

7.14.1.5.1. mais que isso ocorrera repetições

7.14.1.6. ao realizar varias entrevista num dia apenas, intercalar com anotações cada entrevistado

7.14.1.6.1. se colocam entre entrevistador e entrevistado

7.15. principais estagios

7.16. abertura ou colocação do problema

7.16.1. motivo que levou a entrevista

7.16.1.1. aceita-lo plenamente

7.17. desenvolvimento ou exploração

7.17.1. corpo principal alcançado

7.17.1.1. examinar/analisar/explorar o problema

7.18. encerramento

7.18.1. se assemelha ao estagio 1, contato inicial

7.18.2. avisar com antecedencia quando não puder comparecer a entrevista

7.18.3. contato e separação

7.18.4. dois fatores

7.18.4.1. ambos ter consciencia que a entrevista esta se encerrando e aceitar esse fato

7.18.4.2. durante o encerramento, nenhum material novo será introduzido, caso ocorra deve-se marcar outra entrevista

8. 3. Filosofia

8.1. orienta suas ações

8.1.1. tendo ou não consciência dela

8.1.1.1. determina seu proprio papel na entrevista

8.1.1.2. podendo ser implicitas ou explicitas

8.1.1.3. expressar ou não

8.1.2. pensar sobre sua propria filosofia

8.1.3. podendo altera-á agora ou no futuro se achar necessario

8.1.4. a entrevista proporciona uma reflexão/mudanças em relação a nossas ideias, sentimentos em relação a si mesmo e aos outros

8.1.5. tipos de mudanças que desejamos provocar

8.1.6. qual a melhor forma de obtê-la?

8.1.7. mudanças desejadas

8.1.7.1. aquela que o entrevistado será capaz de construir

8.1.7.2. significativo para ele

8.1.7.2.1. que permita agir no futuro

8.1.8. implica aprendizagem

8.1.9. informações uteis

8.1.9.1. cognitivas ouemocionais

8.1.9.1.1. novos fatos ou sentimento

8.2. como estimular a mudança

8.3. a partir da criação de uma atmosfera de confiança

8.4. sentido-se integralmente respeitado

8.5. sentir-se responsável por si próprio

8.5.1. por suas ações

8.5.1.1. pensamentos

8.5.1.1.1. sentimentos

8.5.1.1.2. acreditando em sua capacidade

8.5.1.1.3. usando de seus próprios recursos

8.5.1.2. oferecendo a nossa disposição para ajuda-los a atingir seu espaço viral

8.6. desempenho de uma papel ativo e vital

8.6.1. sendo util e adequado

8.6.2. encoraja-lo

8.6.3. interesses continuamente sentidos

8.6.4. colocar-se a disposição do entrevistado

9. 1. Condições

9.1. Condições favoraveis

9.1.1. Interação

9.1.1.1. consições do ambiente

9.1.1.1.1. consições internas e condições externas

9.2. Ambiente de ajuda

9.2.1. ambiente externo/ preferencialmente uma sala

9.2.1.1. para que não ocorra distrações, ruidos,etc.

9.2.1.1.1. ocorre a necessidade de concentração

9.3. propicia a comunicação

9.3.1. interação

9.3.2. necessidade de vestes apropriadas

9.3.3. aumentando a confiança

9.3.4. respeito entre entrevistado e entrevistador também facilita a entrevista

9.3.5. interrupção externas dificultam e prejudicam a entrevista

9.3.5.1. a relação do entrevistador com seus auxiliares deve ser clara, visando o melhor pra o entrevistado

9.3.5.2. necessidade de respeito entre todos os envolvidos

9.3.5.2.1. sendo crucial o desejo de ajuda do entrevistador

9.4. a confiança nas suas próprias ideais

9.4.1. honestidade

9.4.1.1. honestidade reciproca

9.4.1.1.1. Integridade

9.4.1.1.2. espaço vital que ocupamos

9.4.2. escuta ativa

9.4.3. e observação

9.4.4. havendo a necessidade de paciencia e autoconciencia

9.5. Mecanismos de enfrentamento

9.5.1. imposição da realidade

9.6. mecanismos de defessa

9.6.1. atmosfera que o confronto é alcançado