SISTEMA DE SAÚDE CUBANO

Kom i gang. Det er Gratis
eller tilmeld med din email adresse
SISTEMA DE SAÚDE CUBANO af Mind Map: SISTEMA DE SAÚDE CUBANO

1. Existe uma predominância do financiamento público a saúde

2. MODELOS DE ATENÇÃO

2.1. O modelo em Cuba foi construído em sociedade socialista, em que as decisões acontecem de forma centralizada e a nível federal, na qual não havia possibilidade de desenvolvimento de um setor privado de saúde mesmo que pequeno.

2.1.1. O modelo cubano visa o acesso universal, a cidadania e a integralidade.

2.2. Habilidades para regulação do setor de saúde

2.2.1. MEDICAMENTOS, TECNOLOGIA, SERVIÇO, PRESTADORES

2.2.1.1. Garante uma cobertura ampliada e o controle de gastos.

2.3. CICLO FECHADO

2.3.1. Aonde não ocorre incorporação de tecnologia ou de profissionais estrangeiros.

2.3.1.1. O foco está na tecnologia leve, pois o sistema visa a atenção primária. Além disso, há muito investimos já formação de profissionais e em pesquisas.

2.4. Em 1976, com criação da constituição da república de Cuba, o SNS ganhou legitimidade. O SNS cubano tornou-se a única forma de oferta de serviços de saúde no país, orientado pelos estados

3. BASES IDEOLÓGICAS

3.1. O sistema cubano SSC

3.1.1. Com base ideológica o SSC esclarecer maior da organização CUBANA.

3.1.2. Medicina de base científica por médicos capacitados

3.1.3. Coloca direito do homem, sendo inalienável do estado.

3.1.4. “Todos tem direito a que se atenda a se proteja a saúde. (..)

3.1.4.1. Planos de vacinação, exames médicos e outras medidas preventivas.

4. PÚBLICO ALVO

4.1. ORGANIZAÇÃO DO SSC SISTEMA DE SAÚDE CUBANO

4.1.1. SSC está bem expressa na CRC, na lei 41 da legislação cubana, saúde pública.

4.1.1.1. Estabelecem os principais básicos para regulação das relações sociais no campo da saúde.

4.1.1.1.1. “ com fim de contribuir para a garantia da promoção de Saude, a prevenção de doenças, o estabelecimento da saúde, as reabilitação social dos doentes e a assistência social.” LEI 41, ART I

4.2. 1.1 CUIDADOS DA SAÚDE MATERNO-INFANTIS na LEI 41

4.2.1. Todas as grávidas, mediantes a consultas pré natais em ambulatório, consultas especializada na gravidez de risco com lares maternos, hospitais e outros serviços ART 23

4.2.1.1. LARES MATERNO: são estrutura especializada, aonde grávidas em situação de risco em situação sócio econômicas são seguidas em regime internamentos.

4.2.1.1.1. Cuidados permanentes crianças com deficiência física e mental que deles necessitam perante ART 26

4.3. 1.2 CUIDADOS DE SAÚDE AO ADOLESCENTE E ADULTO

4.3.1. Contribuindo elevar nível de saúde do adolescente. Perante ART 27

4.3.1.1. Prolongar a vida da população, mediante o tratamento médico preventivo e curativo através do programa ATENÇÃO INTEGRAL AO ADULTO . Perante ao artigo 28

4.4. 1.3 CUIDADOS SAÚDE DOS IDOSOS na lei 41

4.4.1. Preservação, cura e reabilitação mediantes a execução de programa e cuidados. ART 30

5. FINACIAMENTOS

5.1. Após a revolução de 1959 o governo cubano colocou como prioridade sistema de saúde.

5.2. Nos anos 90 Cuba viveu um crise econômica intensa, chamada Peiodo especial.

5.2.1. Apesar do esforço do orçamento, manifestou também aumento de incidência como tuberculose e hepatite.

5.2.2. A recuperação econômica na primeira década do século XXI

5.2.3. Mesmo com o sistema que Cuba disponibiliza existem certas dificuldades em suas infraestutura.

5.2.3.1. A infraestrutura das policlínicas só deprimente, falta de alguns aparelhos, falta de medicamentos, falta até mesmo profissionais para atuar em sua área.

5.3. O governo cubano tem aproximadamente de 93% gasto total com a saúde.

6. FUNCIONAMENTO

6.1. NÍVEL PRIMÁRIO

6.1.1. O SSC está estruturado em 4 níveis

6.1.2. Cobertura e baixa complexidade, composto por equipes de saúde básicas.

6.1.2.1. Responsável por implementar o programa de Médico de família.

6.1.2.1.1. Composto por um médico e enfermeiro, que trabalha num consultório responsável por cerca de 800 pessoas.

6.2. GTB GRUPO DE TRABALHO BASISO

6.2.1. É uma equipe com cuidados maternos-infantis , assistência Estomatológica, assistência médica do adulto maior e outros.

6.2.1.1. Ele também supervisa a ESB

6.3. ESB

6.3.1. São responsáveis pelos policlínico, hospital de pequena dimensão, para aonde são enviados os doentes.

6.3.1.1. Todos os policlínicos oferecem cerca de 25 serviços

6.3.1.1.1. Eles são: eletrocardiograma, radiografia, endoscopia, ultra-sonografia, laboratório clínico e entre outros serviços de exames.

6.4. NÍVEIS SECUNDÁRIOS

6.4.1. Com menor cobertura e com maior complexidade fazem parte dos hospitais regionais e municipais

6.4.1.1. Quando os pacientes são encaminhado quando nível primário é insuficiente para resolução do seu problema.

6.4.1.1.1. A unidade deste nível tem meios complementares de diagnóstico.

6.4.1.1.2. Ex: Laboratório de anatomia patológica, ressonância, medicina nuclear, angiografia e entre outros que não existe nos policlínicos.

6.5. NÍVEIS TERCIÁRIOS e QUATERNÁRIO

6.5.1. De cobertura mínima e complexidade máxima.

6.5.1.1. Ocorrem quando ha necessidade de internamento.

6.5.1.1.1. O terciários quando é internado acontece para diagnóstico ou tratamentos

6.5.1.1.2. É o quaternário quando a condição doente requer unidade de cuidados intensivos.