Get Started. It's Free
or sign up with your email address
SISAB by Mind Map: SISAB

1. Atividade coletiva – usada por profissionais para registros de ações em saúde, como oficinas, rodas de conversas, grupos terapêuticos e ações como reuniões de equipe para educação permanente e/ou organização de processo de trabalho, discussões de casos.

2. Antigamente chamado de SIAB, depois da reformulação em 2013 passou a se chamar SISAB, e visava possibilitar maior detalhamento de informações do usuário, tais como tipo e condições de moradia, informações sociodemográficas (idade, sexo, escolaridade, situação conjugal) e condições de saúde autorreferidas, além de facilitar o acompanhamento dos usuários, pois os dados passaram a ser individualizados.

2.1. Os dados são vinculados ao número do profissional do SUS que preencheu a ficha e o número do cadastro do usuário, ou seja, cartão SUS. Esse sistema também integra os diferentes sistemas da atenção básica, possibilitando que profissionais da atenção básica (das equipes ESF, NASF, Consultórios de Rua, Atenção Domiciliar, de Programas da Academia de Saúde e Programa Saúde Escolar) registrem e tenham acesso a informações mais qualificadas sem ter que preencher diferentes sistemas.

3. Esse sistema foi implantado em 1998 para o acompanhamento das ações e dos resultados das atividades realizadas pelas equipes do programa saúde da família ESF.

3.1. Nele é possível obter informações sobre cadastros de famílias.

3.2. condições de moradia e saneamento, situação de saúde, produção e composição

3.3. das equipes de saúde e monitoramento das ações realizadas na atenção básica.

4. O SISAB tem a importante missão de disponibilizar informações agregadas relacionadas à morbidade, à mortalidade, ao estado imunitário e nutricional da população, à situação socioeconômica e do saneamento ambiental, que são de vital importância para o planejamento das ações junto às unidades básicas de saúde.

4.1. As informações coletadas pelas equipes de saúde da família no domicílio, nas fichas de cadastramento e de acompanhamento das famílias adscritas são registradas no sistema, e através deste é possível obter relatórios e informações consolidadas de todo território e todas as áreas no município.

5. • Fichas para coleta de dados no SISAB.

5.1. No SISAB são usadas sete fichas, dependendo do profissional e do foco de sua atenção, ou seja, para cadastramento, atendimento individual ou grupo, procedimentos e visita domiciliar serão utilizadas fichas diferenciadas.

6. Fichas para coleta de dados no SIAB

6.1. • Cadastramento

6.1.1. Ficha A – Reúne informações obtidas no cadastramento das famílias, possibilitando conhecer características familiares importantes, tais como número de residentes por sexo e idade, doenças referidas, nível de escolaridade, ocupação e informações referentes ao saneamento e moradia. É importante destacarmos que essas informações são coletadas no cadastramento das famílias e preenchidas na ficha A pelos ACS agente comunitário de saúde.

6.2. • Acompanhamento

6.2.1. Existem as Fichas B, que são usadas para o acompanhamento de pacientes hipertensos (FICHA B HA), diabéticos (FICHA B-DIA), com tuberculose (FICHA B-TB), hanseníase (FICHA B-HAN) e gestantes (FICHA B GES), portanto temos Fichas B diferenciadas para esses públicos. Essas fichas são preenchidas pelo profissional quando é realizado o diagnóstico e depois são entregues ao ACS para registros posteriores, nas visitas domiciliares mensais.

6.2.2. As Fichas C são utilizadas pelo ACS e também denominadas cartão sombra, pois são uma cópia do cartão da criança, para acompanhar e registrar informações sobre a vacinação e condições de saúde das crianças, durante a visita domiciliar.

6.2.3. Nas Fichas D são registradas consultas médicas, de enfermagem, procedimentos, notificações, internações hospitalares e encaminhamentos. Para possibilitar outras informações, como registro de atendimentos de outras categorias profissionais, por exemplo, a equipe da saúde bucal, e ainda sobre o tipo de consulta médica (se agendada, demanda espontânea, de urgência).

6.2.4. Foi criado o relatório PMA-C (Produção e Marcadores de Avaliação –Complementar), possibilitando monitorar e quantificar essas informações complementares.

6.3. •Registro no SISAB

6.3.1. As informações coletadas nas fichas acima são posteriormente registradas no SIAB em blocos:

6.3.2. • As fichas de cadastramento das famílias (Fichas A) o relatório da situação de saúde e acompanhamento das famílias.

6.3.3. • E um relatório único de produção e marcadores para avaliação (PMA) para as fichas de acolhimento B C e D.

7. •As fichas usadas por profissionais de nível superior são para:

7.1. Utiliza o software e-SUS AB para facilitar o acesso de gestores e profissionais de saúde das equipes de atenção básica, Esse novo sistema possui uma plataforma tecnológica mais moderna, fazendo uso do software do e-SUS AB. Nas unidades básicas de saúde que não estejam informatizadas com prontuário eletrônico do cidadão (PEC), é utilizado um sistema de coleta de dados simplificado (CDS), para preenchimento de fichas, de maneira a facilitar e reduzir o tempo gasto pelos profissionais com coleta das informações.

7.1.1. e-SUS: estratégia usada para informatizar as unidades de saúde, reformular o sistema de informação do SUS, informatizando os processos de trabalho, para integrar os dados, melhorando o fluxo e uso das informações pelos gestores e profissionais de saúde a fim de melhorar os cuidados nos serviços e nas redes de atenção em saúde.

7.1.2. e-SUS AB: é um software usado na atenção básica que alimenta o sistema de informação em saúde da atenção básica, e utiliza duas formas a (CDC) para coleta de dados simplificada, e o (PEC) prontuário eletrônico do cidadão em unidades básicas de saúde que possuam os equipamentos e a conectividade.

7.2. Atendimento individual – utilizada pelos profissionais de nível superior da atenção básica, com exceção dos dentistas (que possuem ficha específica), traz informação individual do usuário, com número do Cartão Nacional do SUS, identificação do estabelecimento de saúde e dos profissionais de saúde envolvidos.

7.3. Atendimento odontológico individual – usada apenas pela equipe de saúde bucal da atenção básica.

7.4. Procedimentos – usada para coleta de dados sobre a realização de procedimentos ambulatoriais, tanto por profissionais de nível superior quanto nível médio.

8. •Fichas de atendimento de nível médio e outro para:

8.1. Visita domiciliar: a ficha de visita domiciliar coleta dados sobre a realização de visitas domiciliares dos ACS, sendo possível coletar informações de até dez usuários por ficha, com o motivo da visita (cadastro ou periódica) e também possibilita registrar o profissional que acompanhou essa visita. Importante destacarmos, no caso de atendimentos domiciliares realizados por profissionais de nível superior, estes serão registrados nas fichas de atendimento, e no local de atendimento se preenche domicílio, pois no SISAB, o termo visita domiciliar é usado apenas quando realizado pelo ACS.