Get Started. It's Free
or sign up with your email address
DAVID HUME by Mind Map: DAVID HUME

1. Moral Humiana

1.1. A moral deve derivar de algo diferente da razão;

1.2. A moral suscita paixões, promove ou impede ações;

1.3. Passagem do Tratado: “Se a moral não tivesse naturalmente qualquer influência sobre as paixões e as ações humanas, em vão se fariam tantos esforços para a inculcar e nada seria mais estéril do que a multidão de regras e preconceitos em que abundam todos os moralistas. [...]"

1.4. Ela não pode provir da razão. A razão pode dispor-se a serviço das paixões e colaborar com elas, despertando-as e orientando-as.

1.4.1. Podemos concluir que o fundamento da Moral é o sentimento.

1.5. Ela não pode provir da razão.

2. Empirista Radical

2.1. "Não entrar no campo da metafísica";

2.1.1. "Não ir além da experiência";

2.2. Estudar sistematicamente os processos mentais e, não estender a análise para além das percepções

2.3. Hume nas “Investigações sobre os princípios morais” diz que a utilidade é uma fonte de sentimento moral que se estende “aos outros”.

3. Virtude

3.1. A virtude e o vício provocam prazeres do tipo particular.

3.2. Sentir uma satisfação de um tipo particular ao contemplar uma certa qualidade, significa ter o sentido da virtude;

3.3. O nosso juízo sobre a beleza, o gosto e as sensações está implícito no prazer imediato que todas as coisas nos proporcionam. Isso determina a esfera da atividade prática;

3.3.1. Julgamos ações virtuosas aquelas que resultam do sentimento de simpatia.

4. Justiça em Hume

4.1. A justiça é o meio de equilíbrio;

4.2. A justiça não é uma conformidade com a lei racional, mas uma virtude artificial, nascida da necessidade de garantir o equilíbrio de interesses;

4.3. Não há um pacto racionalmente justificado, mas um consenso oportunístico, cuja finalidade é garantir os interesses de todos em geral e de cada um em particular.

4.4. Virtude Artificial

4.4.1. Surge da adoção de um sistema de condutas. Ela não é como a beneficência e a moderação, só depois de instituída é que a justiça passa a ser "naturalmente" aprovada.

4.5. Virtude Natural

4.5.1. O homem age, em geral, de acordo com seus interesses particulares (egoísmo) e segundo interesses de pessoas que lhe são próximas

4.5.2. A diferença entre as duas é que o bem resultante da primeira surge de atos isolados, enquanto que um ato de justiça pode ser contrário ao bem do agente ou mesmo ao bem público se isoladamente considerado;

4.6. Assim, a justiça depende da prática social. Daí a proximidade entre a explicação do artifício e a formação do vínculo social.

4.7. A justiça nasce a medida que a fragilidade humana é incurável.

5. Utilitarismo

5.1. Se a teoria humeana é de alguma forma prescritiva, como são as utilitaristas, deve-se perguntar o que se prescreve. Diferentemente das teorias utilitaristas, a prescritividade da teoria humeana não deriva imediatamente da utilidade.

5.2. Hume diz que “a obrigação moral tem uma certa proporção com a utilidade”.

5.3. O sentimento de humanidade, enquanto fundamento da moral, guarda proximidade com a utilidade.