Os Impactos Causados pela Inovação Tecnológica nos Escritórios de Contabilidade do Rio Grande do...

UEFS - SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS - ATIVIDADE AVALIATIVA II - ALUNA: LAÍS NASCIMENTO. - PROF.: MARIVAL R. SILVA - ANO LETIVO 2019.2 - DATA: 31/03/2020.

Get Started. It's Free
or sign up with your email address
Os Impactos Causados pela Inovação Tecnológica nos Escritórios de Contabilidade do Rio Grande do Sul: Uma Análise de Cluster by Mind Map: Os Impactos Causados pela Inovação Tecnológica nos  Escritórios de Contabilidade do Rio Grande do Sul: Uma Análise  de Cluster

1. Referenciais Teóricos.

1.1. Impactos Tecnológicos ocorridos nos Escritórios de Contabilidade.

1.1.1. T.I

1.1.1.1. Pode exercer um papel fundamental no processo de gestão do escritório, bem como nas atividades contábeis.

1.1.1.2. Facilita o processo de gestão do conhecimento das pessoas envolvidas na organização.

1.1.1.3. Facilita a comunicação interna e externa e propicia subsídios para aperfeiçoar o conhecimento.

1.2. Os aspectos da T.I. no ambiente contábil

1.2.1. A ampliação da velocidade na realização das rotinas, aliada à precisão no processamento de dados são fatores que justificam o uso da T.I. no mundo de hoje.

1.2.2. Implementação de novas tecnologias de T.I. nas organizações.

1.2.2.1. Revolucionou os métodos de negócio e está continuamente mudando a natureza da contabilidade e o papel dos contadores.

1.2.3. Importância em investir em T.I.

1.2.3.1. É uma ação de caráter estratégico que pode proporcionar vantagens competitivas.

1.2.3.2. O ambiente competitivo.

1.2.3.2.1. Formulação de uma estratégia empresarial bem definida.

1.2.3.2.2. Uma estratégia bem definida.

1.3. Scott (2009).

1.3.1. Vantagens e Desvantagens da tecnologia.

1.3.1.1. A dependência da profissão pela tecnologia.

1.3.1.2. Dependência de seres humanos.

1.3.1.2.1. Produto de inovação humana, portanto, repete os erros humanos.

1.3.1.3. Impactos da tecnologia não são negativos e nem positivos. Resultam em demandas sobre a profissão.

1.3.1.4. Várias ferramentas que possibilitam a agilidade em executar as funções exercidas pelo contador.

1.4. Inovação Tecnológica e as práticas de Gestão Contábil.

1.4.1. Agilidade e confiabilidade dos sistemas de informações utilizados nos escritórios de contabilidade. - Alsharayri (2011) e Choe (2004).

1.4.1.1. Agilidade e confiabilidade dos sistemas de informações utilizados nos escritórios de contabilidade.

1.4.2. Finalidade básica das informações geradas pela contabilidade. - Allahyarl e Ramazani (2011).

1.4.2.1. Produzir informações relevantes para a formulação de negócios e processos estratégicos.

1.4.2.2. Auxiliar seus usuários a tomarem decisões.

1.4.2.3. Controle das atividades.

1.4.2.4. Uso eficiente dos recursos em uma organização.

1.4.3. A importância da T.I

1.4.3.1. Melhorou o desempenho e gerou um maior desenvolvimento empresarial, nas pequenas empresas de prestação de serviços. - Aribaba, Asaolut e Olaopa (2011).

1.4.3.1.1. Melhorou o desempenho e gerou um maior desenvolvimento empresarial, nas pequenas empresas de prestação de serviços.

1.4.3.2. Propósito básico da T.I. dentro de um escritório de contabilidade é ajudar os usuários a tomarem decisões. - Mat (2010)

1.4.3.2.1. Propósito básico da T.I. dentro de um escritório de contabilidade é ajudar os usuários a tomarem decisões.

1.4.3.3. A T.I. pode afetar o resultado das decisões tomadas pelos gestores. Pode colocar obstáculos que dificultam o entendimento e a utilização dos relatórios contábeis gerados pelos sistemas de contabilidade. - Sarokolaei et al. (2012).

1.5. A Contabilidade e as novas Tecnologias da Informação.

1.5.1. Uso da internet

1.5.1.1. O uso integrado entre computadores de uma rede e a internet marcam uma nova era das informações. (ARAÚJO & al., 2003).

1.5.2. Sistema Público de Escrituração Fiscal (SPED)

1.5.2.1. Tem como objetivo uniformizar as obrigações com o fisco.

1.5.2.2. Ainda não obteve resultados satisfatórios em termos de agilidade e produtividade.

2. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

2.1. Classificação da Pesquisa.

2.1.1. Pesquisa exploratória

2.1.1.1. Têm como principal finalidade desenvolver, esclarecer e modificar conceitos e ideias

2.1.2. Descritiva

2.1.2.1. Faz uma comparação com a prática

2.1.3. De caráter quantitativo

2.1.3.1. Faz analises através de técnicas estatísticas.

2.2. População e Amostra.

2.2.1. População utilizada.

2.2.1.1. População utilizada. -> 9.260 escritórios contábeis sediados no Estado do Rio Grande do Sul.

2.2.1.1.1. Foram contatados e constituíram a população analisada.

2.2.2. Composição da amostra.

2.2.2.1. Composição da amostra -> Recebidas respostas 408 escritórios de contabilidade.

2.3. Instrumento de Coleta dos Dados.

2.3.1. Aplicado um questionário estruturado - Survey, dividido em duas partes.

2.3.1.1. Primeira parte do questionário.

2.3.1.1.1. Composta por questões pertinentes aos dados estruturais do escritório e pelos dados do perfil do responsável pelo escritório.

2.3.1.1.2. Qualificação dos respondentes.

2.3.1.2. Segunda parte do questionário.

2.3.1.2.1. Composta por trinta questões relacionadas aos impactos da T.I.

2.4. Procedimentos da Análise.

2.4.1. Técnica multivariada utilizada para analisar os dados do estudo. - Análise de Cluster ou análise de agrupamentos.

2.4.1.1. Finalidade principal

2.4.1.1.1. Agregar objetos com base nas características que eles possuem.

2.4.1.2. Objetivo

2.4.1.2.1. Dividir um conjunto de objetos em dois ou mais grupos com base na similaridade dos objetos em relação a um conjunto de características especificadas.

2.4.1.2.2. Agrupamento de dados segundo suas características.

2.4.1.3. A análise de agrupamentos se assemelha à análise fatorial em seu objetivo de avaliar a estrutura.

2.4.1.4. O perfil é definido pelas características que compõe o cluster, baseando-se no conceito de similaridade

3. ANÁLISE DOS RESULTADOS

3.1. Análise Descritiva do Conjunto de Respondentes e Respostas do Questionário .

3.1.1. Análise descritiva dos dados obtidos com a realização da pesquisa.

3.1.2. Dados referem-se aos perfis dos escritórios de contabilidade cujos responsáveis responderam ao questionário.

3.1.3. Obteve-se 408 respostas do questionário aplicado.

3.1.3.1. Região Metropolitana: 37,01% do total da amostra de respondentes.

3.1.3.2. Região Serrana: (13,97%) do total da amostra.

3.1.3.3. Região da Campanha: (3,68%) do total da amostra.

3.1.3.4. Região dos Campos de Cima da Serra: 3,43% do total da amostra.

3.2. Validação e Determinação dos fatores para a Análise de Cluster.

3.2.1. A validade da análise fatorial foi medida pelo teste KaiserMeyer-Olkin (KMO)

3.2.1.1. Apresentou o valor de KMO = 0,835

3.2.2. Identificação dos fatores obtida a partir da elaboração da matriz fatorial rotacionada pelo método varimax.

3.3. Análise de Formação de Cluster

3.3.1. Utilizando as variáveis

3.3.1.1. Número de clientes / Tempo de atuação do escritório. / Número de funcionários. / Forma jurídica do escritório.

3.3.1.2. Como você classifica seu escritório em relação aos concorrentes. / Qualificação do responsável. / Os seis fatores resultantes da Análise Fatorial.

3.3.2. Utilizando apenas os seis fatores da análise fatorial.

3.3.2.1. Eficiência Organizacional. / Produtividade e Qualificação Profissional. / Agilidade, segurança e inovação dos serviços. / Mercado, atividades e inovação tecnológica. / Resultado Econômico. / Complexidade na execução dos serviços.

3.4. Relações existentes entre os grupos formados.

3.4.1. Dados coletados nos grupos formados nas duas opções de Análise de Cluster.

3.4.1.1. Tabela 1

3.4.1.1.1. 85,9% dos casos do Grupo 1 tem mais de 100 clientes

3.4.1.1.2. Grupo 2 se dividem entre escritórios com até 25 clientes (25,1%), de 26 a 50 clientes (26,6%), de 51 a 75 clientes (27,0%) e de 76 a 100 clientes (20,5%).

3.4.1.2. Tabela 2

3.4.1.2.1. Referentes à associação dos 3 grupos de Cluster.

3.4.1.3. Tabela 3

3.4.1.3.1. Não há associação clara entre os três grupos formados e o número de clientes.

3.4.1.4. Tabela 4

3.4.1.4.1. Todos consideram-se pequenos

3.4.1.5. Tabela 5

3.4.1.5.1. Relações entre os grupos formados.

4. CONSIDERAÇÕES.

4.1. Objetivo Geral

4.1.1. avaliar os impactos causados pela inovação tecnológica nos escritórios de contabilidade do Rio Grande do Sul

4.2. Vantagens e Desvantagens da T.I

4.2.1. Vantagens

4.2.1.1. Agilidade para a execução dos serviços prestados.

4.2.1.1.1. Insatisfação por parte dos responsáveis pelos escritórios, quanto ao resultado econômico.

4.2.1.2. Utilização da T.I. para o desenvolvimento das atividades contábeis e Agilidade para a execução dos serviços prestados.

4.2.1.3. Facilita a comunicação por meio da sua velocidade e capacidade de ser enviada com segurança e agilidade.

4.2.2. Desvantagens

4.2.2.1. Necessidade de qualificar os profissionais atuantes nos escritórios.

4.2.2.1.1. Gerou um aumento do gasto mensal com a folha de pagamento que não pode ser repassado para aos clientes.

4.2.2.2. Maiores riscos financeiros proporcionados por multas e juros elevados.

4.2.2.2.1. No caso de escritórios de contabilidade que, eventualmente, tenham atrasado a entrega de obrigações necessárias aos órgãos fiscalizadores.

4.2.2.3. Absorção dos custos pelos escritórios de contabilidade.

4.3. Maiores inovações tecnológicas.

4.3.1. A integração dos sistemas informatizados

4.3.2. O advento da internet.

4.4. Resultados da análise de Cluster.

4.4.1. Insatisfação com o advento das inovações tecnológicas decorrente da complexidade e do aumento das tarefas que a T.I., o que proporcionou aos escritórios.

5. SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS- ATIVIDADE AVALIATIVA II - ALUNA: LAÍS NASCIMENTO. PROF.: MARIVAL R. SILVA - ANO LETIVO 2019.2 - DATA: 31/03/2020.