IMPACTOS DAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS NO COTIDIANO DAS ESCOLAS PÚBLICAS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

Get Started. It's Free
or sign up with your email address
Rocket clouds
IMPACTOS DAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS NO COTIDIANO DAS ESCOLAS PÚBLICAS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO by Mind Map: IMPACTOS DAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS NO COTIDIANO DAS ESCOLAS PÚBLICAS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

1. Politica Pública de educacional

1.1. Política Pública, ciclos principais:

1.1.1. a) Preparação da decisão política – O governo decide enfrentar um determinado problema e buscar algum tipo de solução para uma situação que produz privação, necessidade ou não satisfação.

1.1.2. b) Agenda setting – A formação da agenda.

1.1.3. c) Formulação – na formulação das políticas públicas, a discussão passa a girar em torno do desenvolvimento de cursos de ações aceitáveis e pertinentes para lidar com um determinado problema público.

1.1.4. d) Implementação - Em resumo significa a aplicação da política pela máquina burocrática do Governo.

1.1.5. e) Monitoramento – Como as agências administrativas afetam e conferem conteúdo às políticas adotadas

1.1.6. f) Avaliação – Por fim, a atividade de avaliação de resultados da política/programa concentra-se nos efeitos gerados

1.2. Políticas de Publicas implementadas

1.2.1. a)Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério- (FUNDEF)4; b) Plano de Desenvolvimento da Escola (PDE); c) Programa de Dinheiro Direto na Escola (PDDE); d) Programa Bolsa Família; e) Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE); f) Programa Nacional do Livro Didático (PNLD); g) Programa Nacional de Transporte Escolar (PNATE); h) Exame Nacional do Ensino Médio (ENEN; i) Sistema de Seleção Unificada (SISU); j) Programa Universidade para Todos (PROUNI); k) Programa Nacional de Reestruturação e Aquisição de Equipamentos para a Rede Escolar Pública de Educação Infantil (PROINFÂNCIA).

1.3. Plano de Educação

1.3.1. Para um bom plano de educação deve se ter três grandes pilares: DIRETRIZES: indica a direção a seguir na caminhada, balizada pelas políticas e por princípios indicando o rumo a seguir e o futuro desejado. Estabelecem as definições normativas das políticas. METAS: Constituem objetivos quantificados e datados. Representam o compromisso dos governos e da sociedade, orientando a ação dos agentes públicos e controle social. ESTRATÉGIAS: devem constituir programas definidores das ações do governo para alcançar as metas.

1.3.2. Caracteristicas do plano de educação:

1.3.2.1. - PME precisa estar alinhado ao PNE e ao PEE

1.3.2.2. - PME deve ser do município, e não apenas da rede ou do sistema municipal

1.3.2.3. - Intersetorialidade é uma premissa estratégica para dar sentido ao Plano

1.3.2.4. - Conhecer bem o cenário atual

1.3.2.5. O plano deve se articular aos demais instrumentos de planejamento

1.3.2.6. - O plano de educação tem de ter legitimidade para ter sucesso

2. Impactos no cotidiano Escolar

2.1. As políticas públicas se propõem a provocar alterações “no interior da escola, em especial, nos seus princípios e, por decorrência, na forma de organização e desenvolvimento do trabalho escolar, portanto, interferindo diretamente nas práticas dos professores e em sua cultura. Por essa razão o plano nacional de educação mostra grupos de metas estruturantes.

2.1.1. 1º- Investir na universalização da educação infantil e numa boa educação e formação da educação básica.

2.1.2. 2º - Redução das desigualdades e à valorização da diversidade, caminhos imprescindíveis para a equidade

2.1.3. 3º - Valorização dos profissionais da educação

2.1.4. 4º - Ensino Superior

2.1.5. 5º - Sistema educacional inclusivo: a) Formação do professor; b) Adequação do ambiente escolar; c) Capacitação dos funcionários; d) Escola adequada a cada aluno, observando suas necessidades pessoais e pedagógicas; e) A comunidade escolar deve estar preparada para receber os alunos com deficiência; f) Participação da família no processo educativo do aluno com deficiência. g) Adequação curricular; h) Número de alunos na sala de aula.

3. Papel do Ministério Público

3.1. a) A transferência de análise e concretização de uma política pública educacional nem sempre encontra no Judiciário a interpretação que melhor se adequa à realidade educacional (pode contemplar a realidade jurídica, mas não a educacional). 20 b) Transfere-se uma construção coletiva e democrática para uma análise pessoal que pode se cercar de impressões descompromissadas com o cotidiano escolar. c) Em sua maioria, a análise das políticas reveste-se de caráter individual e não coletivo – o que proporciona desigualdades.

3.2. Os direitos fundamentais sociais foram concebidos para garantir a igualdade substancial de todos os membros da sociedade. O objetivo da satisfação dos bens da vida protegidos pelos direitos fundamentais sociais é o oferecimento de oportunidades iguais de desenvolvimento a todos os integrantes da sociedade. Logo, esses bens da vida devem ser disponibilizados indistintamente, sem quaisquer privilégios particulares. Se o que se objetiva com os direitos fundamentais sociais é a igualdade substancial (grifo nosso), não é possível que se conceba a existência de titulares exclusivos daqueles direitos, ou de determinados segmentos da sociedade que exclusivamente deles se beneficiem (CANELA JÚNIOR, 2014, p. 144).

3.3. Desta forma, deve-se buscar uma igualdade que não seja apenas formal. Nesse sentido, o Ministério Público, através dos inquéritos civis, tem a possibilidade de se garantir a igualização das pessoas de forma concreta, pois tais inquéritos se apresentam como instrumentos eficazes de concretização de políticas públicas.